Novo portal projeto Memória Ferroviária

O conteúdo relacionado ao projeto Memória Ferroviária a partir da próxima semana estará sendo reunido em uma única plataforma online vinculada ao pMF.

1

Novo portal do projeto Memória Ferroviária

Nesta plataforma o leitor poderá ter contato com as informações gerais do projeto, tais como os objetivos, equipe, publicações e financiamento; os eventos; notícias; e documentos relacionados à temática desenvolvidos e reunidos pela equipe. Dentre os documentos destacamos o visualizador cartográfico e Biblioteca Temática MF.

2

Visualizador cartográfico e Biblioteca Temática Memória Ferroviária acessíveis no novo portal pMF

Tal ação visa atuar frente ao objetivo de promover o livre acesso ao conteúdo desenvolvido e reunido dentro do pMF. Em vista disso, o portal que já se encontra disponível se tornará uma plataforma única de acesso a todo o mencionado conteúdo, de maneira que este BlogMF será desativado.

Além do portal oficial do projeto Memória Ferroviária acessível neste link, o Facebook do pMF permanecerá ativo, a fim de divulgar as ações promovidas pelo projeto, e também informações de outras entidades, órgãos oficiais e eventos de cunho científico relacionados a temática ferroviária.

 

Anúncios

III Jornada de Jovens Pesquisadores

A III Jornada de Jovens Pesquisadores sobre História e Patrimônio Ferroviário ocorreu na UNESP campus de Bauru-SP nos dias 28 e 29 de março de 2019. O evento promoveu discussões, aprofundamentos e reflexões acerca dessa temática tão relevante e que tem sido abarcada em estudos de graduação e pós-graduação no país.

As mesas de discussão foram centradas em dois principais temas e distribuídas no decorrer do evento. Os temas foram os seguintes: “Novos instrumentos, novos documentos” e “Estudos locais, análises transversais”. Através dessas duas mesas houve a exposição de trabalhos de extrema relevância que vêm sendo desenvolvidos por graduandos e pós-graduandos em diferentes níveis.

1

Mesa 1 – Novos instrumentos, novos documentos. Fonte: Exibição FAAC web TV.

2

Mesa 1 – Novos instrumentos, novos documentos com Milena Silva, Eduardo Oliveira (moderador da mesa), Raissa Marcondes e Tainá Silva. Fonte: Equipe MF.

3

Mesa 2 – Novos instrumentos, novos documentos com Ewerton Moraes (moderador da mesa), Sandriele Corrêa, Sérgio Losnak e Diógenes Souza. Fonte: Equipe MF.

Tais mesas foram sequência de duas diferentes conferências previstas na III JJP. A primeira delas, no dia 28 de março, apresentada pelo Doutor Juan Manuel Cano Sanchiz, professor pesquisador na University of Science and Tchnology Beijing – ICHHST/USTB, China, com conferência denominada “Arqueologia nos trilhos: fontes, métodos e estratégias para o estudo arqueológico de sítios ferroviários”.

5

Conferência online do Dr. Juan Manuel Cano Sanchiz. Fonte: Equipe MF.

No segundo dia a conferência foi ministrada por María Isabel Alba Dorado, professora na Universidad de Málaga, Espanha, cuja exposição foi intitulada da seguinte maneira: “Propostas e metodologias inovadoras para o estudo de paisagens industriais”.

Percebe-se que ambas as conferências programadas visaram explanar a respeito das diferentes metodologias aplicadas em duas distintas, porém, equivalentes áreas. A primeira aprofundada pelo arqueólogo Sanchiz na área de arqueologia industrial, e a segunda pela arquiteta María Isabel, voltada ao estudos de paisagens industriais.

O primeiro dia da III JJP também ficou marcado pela visita técnica realizada no Conjunto Ferroviário de Bauru-SP, cidade de entroncamento ferroviário que impulsionou o desenvolvimento da região e escoamento da produção no período de plena atuação das ferrovias. Atualmente compõe um patrimônio ferroviário de evidente relevância, composto por remanescentes de três diferentes companhias ferroviárias. A visita foi registrada pela TV Unesp. Tal registro poderá ser consultado neste link.

6

Visita técnica ao conjunto ferroviário de Bauru-SP. Fonte: Equipe MF.

Ao fim, houve a apresentação do livro “Memória Ferroviária e Cultura do Trabalho: Balanços teóricos e metodologias de registro de bens ferroviários numa perspectiva multidisciplinar”, organizado por Eduardo Romero de Oliveira. Esse livro faz parte do intuito de democratização do acesso das investigações e ações científicas que vem sendo desenvolvido pelo projeto Memória Ferroviária, com acesso e download gratuito. Sua disponibilização está prevista para esta primeira semana de abril, na qual divulgaremos aqui no Blog MF e nas demais plataformas do pMF.

7

Membros do projeto Memória Ferroviária. Fonte: Equipe MF.

A equipe MF agradece a participação de todos e espera continuar a contar com a presença de investigadores e demais interessados no tema patrimônio ferroviário nas próximas atividades programadas.

Exibição de Filme e Debate – Memórias de um Rio Fabril

RJ-Fabril-724x1024

Rio de Janeiro – Instituto de História (UFRJ)

Largo São Francisco de Paula, 01. Sala 106

13 de Março de 2019 (14h)

Durante cerca de cem anos, desde o final do século XIX, um intenso processo de industrialização, conectando o porto, ferrovias e fábricas foi de fundamental importância para a história do Rio de Janeiro. A presença fabril influenciou decisivamente a economia, a a socialibidade, a cultura popular e a vida política da cidade. A desindustrialização e o fechamento de fábricas nas últimas décadas transformou profundamente bairros e subúrbios. Demolidas, transformadas em supermercados, shopping centers, estacionamentos, ocupadas por moradias populares ou simplesmente deixadas em ruínas, as antigas fábricas cariocas surgem no cenário urbano como cicatrizes a evocar outros tempos. Mas este mundo industrial perdido ainda está presente na arquitetura, na paisagem e, acima de tudo, nas memórias de antigos trabalhadores e suas comunidades.

Produzido com o apoio do Edital “450 anos do Rio” da Faperj,  Memórias de um Rio Fabril aborda, em três capítulos sobre antigas fábricas da cidade, a importância do passado industrial carioca e as complexas conexões entre memória, patrimônio e história. O filme foi o vencedor de Melhor Documentário da V edição do Festival O Cubo (2018).

Após a exibição do filme (25’), haverá um debate com Paulo Fontes, Professor do IH da UFRJ e um dos diretores do documentário.

Notícia via TICCIH Brasil.

Carta de Sevilha de Patrimônio Industrial 2018

Centro de Estudios Andaluces e The International Committee for Conservation Industrial Heritage-España (TICCIH-Espanha), em colaboração com a Escuela Técnica Superior de Arquitectura da Universidad de Sevilla e o Colegio Oficial de Arquitectos de Sevilla,  apresentam a Carta de Sevilla de Patrimonio Industrial 2018. Esse documento propõe uma revisão crítica, transversal e multidisciplinar da mudança de paradigma existente acerca do patrimônio industrial nas últimas três décadas e que, para além de sua problemática específica, afeta também o patrimônio cultural.

Carta de Sevilla

Carta de Sevilla de Patrimonio Industrial 2018

Coordenada pelo professor da Escuela Técnica Superior de Arquitectura da Universidad de Sevilla e vice-presidente do TICCIH-Espanha, Julián Sobrino, e a arquivista e porta voz do TICCIH-Espanha, Marina Sanz, a Carta de Sevilla de Patrimonio Industrial reúne as principais conclusões do “VII Seminário de Paisagens Industriais da Andaluzia “Pensando o patrimônio industrial: os desafios do século XXI”. Tal Seminário propôs um encontro de especialistas sobre patrimônio industrial realizado no mês de maio de 2018 em Villanueva del Río y Minas, em Sevilha na Espanha.

Desenvolvida por uma equipe multidisciplinar, o principal objetivo exposto na Carta de Sevilha foi delimitar os diferentes enfoques que afetam o patrimônio industrial, de modo a possibilitar um avanço em seu conhecimento e no planejamento de estratégias que deem resposta aos problemas derivados de sua manutenção e conservação. A consulta a maiores informações acerca da Carta de Sevilha, assim como o seu download podem ser realizados através do Centro de Estudios Andaluces.

[Equipe MF em campo] Workshop de Metodologias em Campinas-SP

Nos últimos dias 14 e 15 de dezembro aconteceu em Campinas-SP o segundo Workshop de Metodologias do projeto Memória Ferroviária. O trabalho desenvolvido pela equipe partiu da experimentação de metodologias multidisciplinares iniciado em Louveira-SP em agosto deste ano.

Com a participação de representantes dos diversos núcleos existentes no projeto (Núcleo de Educação Patrimonial, Núcleo de Turismo, Núcleo de História e Núcleo de Arqueologia), o exercício teve como objetivo verificar a aplicabilidade de metodologia multidisciplinar para os estudos histórico-patrimoniais num trecho ferroviário.

WhatsApp Image 2018-12-15 at 12.41.10

Equipe MF reunida na Estação Guanabara em Campinas-SP

Tendo duração de um dia e meio, no primeiro dia do workshop foi realizado o trabalho de campo. Com objetivo de identificar os vestígios materiais ferroviários e sua inserção territorial – com ênfase nas escalas do contexto espacial imediato (bairro/cidade) e macroespacial (urbano/metropolitano) – a equipe foi dividida em três grupos multidisciplinares. Cada grupo percorreu um trecho tendo como ponto de partida uma das três estações ferroviárias de Campinas (Anhumas, Guanabara e Campinas).

No segundo dia, os grupos se reuniram para discutir e compilar as observações feitas durante o trabalho de campo. Para a etapa final de sistematização das informações de forma textual, gráfica e de imagens, os grupos foram redivididos para elaborar seus resultados virtualmente na semana posterior ao workshop.

O grupo da sistematização textual optou por trabalhar com a hierarquização de termos levantados pelas equipes de cada estação para analisar o território em escala macroespacial. Para a análise em escala mesoespacial utilizou-se o método de nuvem de palavras.

textual

Hierarquização dos elementos macroespaciais

A equipe que realizou a sistematização gráfica elaborou oito mapas com base nas informações esboçadas presencialmente em mapas físicos no segundo dia do workshop, analisando os elementos comuns destacados por cada grupo.

grafico

Mapa do percurso até a Estação Guanabara

Por fim, o grupo que sistematizou as imagens criou três séries baseadas nas três estações (Anhumas, Guanabara e Campinas) e dentro das séries dividiram em duas categorias, sendo elas Conformação da Paisagem e Fragmentos.

Ao discutir os procedimentos e resultados alcançados, ficou evidente que os métodos de sistematização se complementam, bem como as considerações feitas por cada grupo. O caráter multidisciplinar da atividade possibilitou um olhar abrangente sobre a influência da ferrovia para conformação do território, principalmente sob os aspectos do deslocamento, moradia, topografia, uso e apropriação e comunidade.

[Notícias] O novo portal do TICCIH Brasil já está disponível para acesso

O portal oficial do TICCIH Brasil foi repaginado. No site, é possível encontrar as diretrizes e acordos relativos ao Patrimônio Industrial, informações sobre eventos e notícias da área.

Em um novo layout simples e dinâmico, todas as informações estão disponíveis em três idiomas: português, inglês e espanhol.

ticcih

Página inicial do portal do TICCIH Brasil

É possível acessar o portal através do link.

[Notícias] Processo seletivo para bolsista CAPES de Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UNESP/Campus de Bauru

A Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação da UNESP/Campus de Bauru abriu, nesta segunda-feira, as inscrições  para o edital para seleção de um bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado da CAPES (Portaria CAPES nº 86, de 3 de julho de 2013), para atuar no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGARQ). As inscrições podem ser realizadas deste dia 26 de novembro até 07 de dezembro de 2018.

O processo seletivo está constituído em duas etapas: a análise da Súmula Curricular e a arguição sobre o Projeto de Pesquisa. A divulgação do resultado final de ambas as etapas ocorrerá no dia 21 de dezembro de 2018.

Para informações completas sobre o processo, consulte o edital disponível neste link.

[Resumo] I Jornadas Ibero-Americanas de Jovens Investigadores em Património Industrial

As I Jornadas Ibero-Americanas de Jovens Investigadores em Património Industrial ocorreu na Universidade de Évora em Portugal dentre os dias 8 a 10 de novembro de 2018. Organizada pela Universidade de Évora, Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedade da Universidade de Évora (CIDEHUS), e pela Universidad de Sevilla, o principal objetivo das JIbero2018 foi criar um espaço de encontro e de promoção das investigações e metodologias dos trabalhos promovidos por jovens investigadores neste campo de estudo patrimonial.

As comunicações propostas durante a JIbero2018 abordaram tanto a dimensão teórica como a dimensão prática, relacionada com as temáticas de documentação, proteção e reabilitação, a difusão, a gestão e a participação, áreas essas entendidas como contribuintes de forma determinante para elevar as potencialidades do Património Industrial e o desenvolvimento de uma sociedade mais sustentável.

Parte da equipe do projeto Memória Ferroviária esteve presente na JIbero2018, sendo através de participação como ouvinte e colaborador nas discussões como a professora Dra. María Isabel Alba Dorado, ou na modalidade de apresentação de trabalhos pela mestranda Milena Meira da Silva. O trabalho de Silva esteve envolto na temática de gestão e participação. Em mesa coordenada pelo professor Dr. da Universidad de Sevilla (também colaboradora do pMF), Julian Sobrino Simal, o estudo de Milena teve como foco discutir a relevância de utilização de geotecnologia de Sistema de Informação Geográfica (SIG) frente a outras metodologias de análise espacial, comumente utilizadas para o tratamento do patrimônio industrial no Brasil.

Apresentação Milena

Milena Meira da Silva durante sua apresentação na I Jornadas Ibero-Americanas de Jovens Investigadores em Património Industrial.

Ademais dessa apresentação, a JIbero2018 contemplou diversas outras conferencias por parte de especialistas na temática de Patrimônio Industrial. De maneira geral, houve a apresentação de diferentes trabalhos realizados em âmbito europeu por espanhóis e portugueses, além de estudantes brasileiros e mexicanos. Todas essas participações propiciaram um interessante ambiente de discussões e reflexões sobre o tratamento dessa tipologia específica e tão recente de patrimônio.

Pedreira

No segundo dia das JIbero2018 houve também uma interessante visita às Pedreiras de Mármore de Vila Viçosa situada na cidade de Évora (Portugal). Foto: María Isabel Alba Dorado.

Até o momento não há previsão de publicação dos anais do evento, no entanto, o trabalho de Milena Meira da Silva será posteriormente publicado, no qual todos poderão ter acesso na aba publicações aqui no BlogMF.